sexta-feira, 31 de julho de 2009

AGRADECIMENTO POR PRÊMIO RECEBIDO

Agradecemos a consideração demonstrada ao Momento Brasil.Com por Ana Maria Cordovil(Entre Nós) http://www.cordsp.blogspot.com/ agraciando-nos com êste selo/prêmio, que fará orgulhosamente parte deste blog. Como de praxe, indicamos para tambem receberem a homenagem, os merecidos blogs1-Cravo e Canela; 2-La gente que me gusta; 3-O Cobrador Brasil; 4-Histórias del Mundo Virtual; 5-O que não se discute.
Regras:
1- Exibir o selo em local de destaque; 2-Postar o link do blog que o indicou; 3- Indicar no mínimo 05 blogs de sua preferência; 4-Publicar as regras; 4-Conferir o cumprimento das regras pelos indicados.

CONVOCAÇÃO GERAL!

Inés de Cuevas disse...
CONVOCATORIA :
Apreciados y respetados amigos, les estamos convocando al PRIMER CONGRESO VIRTUAL INTERNACIONAL DE BLOGGEROS (CVI-b) POR LA LIBERTAD Y CONTRA EL TOTALITARISMO que se da por iniciado a partir de la publicación de esta convocatoria.
Agradecemos su amabilidad y solidaridad en hacer circular la invitación a partir de este momento, entre otros blogueros conocidos por ustedes, para que comiencen a escribir sus respectivas ponencias.
Para mayor información, hacer clic en: http://congresovirtualinternacional.blogspot.com/
Si desean tomar el banner con la URL incluida, les agradezco hacer clic en: http://inesdecuevassolidaria.blogspot.com/ 31 de Julho de 2009 00:56 .//./.

SEM "PAPAS" NA LÍNGUA!

DEPOIMENTO DO PRESIDENTE DA COSTA RICA, QUE MERECE SER LIDO E REFLETIDO
Discurso proferido na presença do Lula e demais presidentes latino-americanos, incluído o "manequim" do Equador, o caloteiro Corrêa, abaixo nominalmente citado.
"ALGO HICIMOS MAL"
Palavras do Presidente Oscar Arias da Costa Rica na Cúpula das Américas em Trinidad e Tobago, 18 de abril de 2009 ."Tenho a impressão de que cada vez que os países caribenhos e latino-americanos se reúnem com o presidente dos Estados Unidos da América, é para pedir-lhe coisas ou para reclamar coisas. Quase sempre, é para culpar os Estados Unidos de nossos males passados, presentes e futuros. Não creio que isso seja de todo justo. Não podemos esquecer que a América Latina teve universidades antes de que os Estados Unidos criassem Harvard e William & Mary, que são as primeiras universidades desse país. Não podemos esquecer que nesse continente, como no mundo inteiro, pelo menos até 1750 todos os americanos eram mais ou menos iguais: todos eram pobres.
Ao aparecer a Revolução Industrial na Inglaterra, outros países sobem nesse vagão:
Alemanha, França, Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e aqui a Revolução Industrial passou pela América Latina como um cometa, e não nos demos conta. Certamente perdemos a oportunidade. Há também uma diferença muito grande. Lendo a história da América Latina, comparada com a história dos Estados Unidos, compreende-se que a América Latina não teve um John Winthrop espanhol, nem português, que viesse com a Bíblia em sua mão disposto a construir uma Cidade sobre uma Colina, uma cidade que brilhasse, como foi a pretensão dos peregrinos que chegaram aos Estados Unidos.
Faz 50 anos, o México era mais rico que Portugal.
Em 1950, um país como o Brasil tinha uma renda per capita mais elevada que o da Coréia do Sul.
Faz 60 anos, Honduras tinha mais riqueza per capita que Cingapura, e hoje Cingapura em questão de 35 a 40 anos é um país com $40.000 de renda anual por habitante.
Bem, algo nós fizemos mal, os latino-americanos. Que fizemos errado? Nem posso enumerar todas as coisas que fizemos mal. Para começar, temos uma escolaridade de 7 anos.
Essa é a escolaridade média da América Latina e não é o caso da maioria dos países asiáticos.
Certamente não é o caso de países como Estados Unidos e Canadá, com a melhor educação do mundo, similar a dos europeus. De cada 10 estudantes que ingressam no nível secundário na América Latina, em alguns países, só um termina esse nível secundário. Há países que têm uma mortalidade infantil de 50 crianças por cada mil, quando a média nos países asiáticos mais avançados é de 8, 9 ou 10. Nós temos países onde a carga tributária é de 12% do produto interno bruto e não é responsabilidade de ninguém, exceto nossa, que não cobremos dinheiro das pessoas mais ricas dos nossos países. Ninguém tem a culpa disso, a não ser nós mesmos. Em 1950, cada cidadão norte-americano era quatro vezes mais rico que um cidadão latino-americano. Hoje em dia, um cidadão norte-americano é 10, 15 ou 20 vezes mais rico que um latino-americano. Isso não é culpa dos Estados Unidos, é culpa nossa. No meu pronunciamento desta manhã, me referi a um fato que
para mim é grotesco e que somente demonstra que o sistema de valores do século XX, que parece ser o que estamos pondo em prática também noséculo XXI, é um sistema de valores equivocado. Porque não pode ser que o mundo rico dedique 100.000 milhões de dólares para aliviar a pobreza dos 80% da população do mundo
"num planeta que tem 2.500 milhões de seres humanos com uma renda de $2 por dia" e que gaste 13 vezes mais ($1.300.000.000.000) em armas e soldados. *Como disse esta manhã, não pode ser que a América Latina gaste $50.000* milhões em armas e soldados. Eu me pergunto: quem é o nosso inimigo? Nosso inimigo, presidente Correa, desta desigualdade que o Sr. aponta com muita razão, é a falta de educação; é o analfabetismo; é que não gastamos na saúde de nosso povo; que não criamos a infra-estruturar necessária, os caminhos, as estradas, os portos, os aeroportos; que não estamos dedicando os recursos necessários para deter a degradação do meio ambiente; é a desigualdade que temos que nos envergonhar realmente; é produto, entre muitas outras coisas, certamente, de que não estamos educando nossos filhos e nossas filhas. Vá alguém a uma universidade latino-americana e parece no entanto que estamos nos sessenta, setenta ou oitenta. Parece que nos esquecemos de que em 9 de novembro de 1989 aconteceu algo de muito importante, ao cair o Muro de Berlim, e que o mundo mudou. Temos que aceitar que este é um mundo diferente, e nisso francamente penso que os acadêmicos, que toda gente pensante, que todos os economistas, que todos os historiadores, quase concordam que
o século XXI é um século dos asiáticos não dos latino-americanos. E eu, lamentavelmente, concordo com eles.
Porque enquanto nós continuamos discutindo sobre ideologias, continuamos discutindo sobre todos os "ismos" (qual é o melhor? capitalismo, socialismo, comunismo, liberalismo, neoliberalismo, socialcristianismo...) os asiáticos encontraram um "ismo" muito realista para o século XXI e o final do século XX, que é o *pragmatismo*. Para só citar um exemplo, recordemos que quando Deng Xiaoping visitou Cingapura e a Coréia do Sul, depois de ter-se dado conta de que seus próprios vizinhos estavam enriquecendo de uma maneira muito acelerada, regressou a Pequim e disse aos velhos camaradas maoístas que o haviam acompanhado na Grande Marcha:
"Bem, a verdade, queridos camaradas, é que a mim não importa se o gato é branco ou negro, só o que me in teressa é que cace ratos". E se Mao estivesse vivo, teria morrido de novo quando disse que "a verdade é que enriquecer é glorioso". E enquanto os chineses fazem isso, e desde 1979 até hoje crescem a 11%, 12% ou 13%, e tiraram 300 milhões de habitantes da pobreza, nós continuamos discutindo sobre ideologias que devíamos ter enterrado há muito tempo atrás. A boa notícia é que isto Deng Xiaoping o conseguiu quando tinha 74 anos. Olhando em volta, queridos presidentes, não vejo ninguém que esteja perto dos 74 anos. Por isso só lhes peço que não esperemos completá-los para fazer as mudanças que temos que fazer.
Muchas gracias."//././
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
Espetacular! Sem firulas, nem papas na lígua.È isso aí e mais alguma coisa que o predidente da Costa Rica tenha esquecido de dizer. Tomara queoconselho tenha sido absorvido, e não esperemos tanto, senhores políticos de"antolhos".









quinta-feira, 30 de julho de 2009

AGRADECENDO O POR PRÊMIO RECEBIDO

Recebemos êste selo/prêmio da amiga Inês de Cuevas, (http://www.inesdecuevas.blogspot.com/) o que demonstra seu carinho para com nosotros, deixando-nos realmente emocionados. Tenhas a certeza Inês, que será guardado com mui cariño y adimiración. Gracias. Indico a seguir alguns dos muitos blogs que tambien merecem a honraria:1-Ìndia manauara, 2-O Mascate, 3-Brasil Livre e Democrata, 4-Heloastrologia, 5-Olhosdanatureza,6-Cristina-crazypatchwork,7-Anavision, 8Falandoentreamigos. 9-Entremeios-angela, 10-Otelice Soares.
Regras:
1-Exibir a imagem do selo; 2-Postar o link de quem indicou; 3-Indicar alguns blogs de s/preferência; 4-Publicar as regras.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

F A T : BILHÕES EM JOGO.

NOTA DA SENADORA KÁTIA ABREU.
Mais que desrespeitosa e desleal, a ação do ministro do Trabalho Carlos Luppi no processo de escolha do presidente do CODEFAT foi um insulto ao sindicalismo brasileiro.
O ministro reencarnou o peleguismo e sua forma de condução certamente encurtará a distância que separa o Fundo de Amparo ao Trabalhador do fracasso econômico.
A CNA está de luto. O sindicalismo brasileiro está de luto. Ações como a do ministro do Trabalho nos dão a certeza que a democracia é um valor que nunca podemos considerar definitivamente adquirido.
A CNA não reconhece tributo em autoridades que se consideram proprietárias do Estado. Coragem, frontalidade e respeito são qualidades que deveriam ser obrigatórias para agentes públicos.
Brasília, 28 de julho de 2009
Senadora Kátia Abreu
Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, CNA
.(Fonte:VEJA/REINALDO AZEVEDO)./
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
O Fundo de Amaparo ao Trabalhador tem um capital de R$150 bilhões e mais 43 bi de orçamento para 2010. Tendo tríplice administração: governo, empregadores(patrões)e trabalhadores. A ganância fato corriqueiro no país das 'maravilhas' produz um sem números de disputas. E o governo de forma imoral, antiética e abusiva, tenta acintosamente mudar as regras do jogo. Quando a carne é boa, largar o osso é difícil. O verdadeiro dono da grana,o trabalhador,é quem menos tem direito. Coisas de um governo de.... (Por Roy Lacerda).//.

SERIEDADE? PASSA BEM LONGE!

Um inquérito de três volumes da Polícia Federal ao qual ISTOÉ teve acesso na última semana pode ser decisivo para o destino do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). O relatório de 157 páginas elaborado pelo setor de inteligência da Divisão de Repressão a Crimes Financeiros condensa toda a investigação da chamada Operação Boi Barrica, um conjunto formado por gravações de 150 horas de conversas telefônicas, mensagens eletrônicas interceptadas e declarações de renda recolhidas pela Receita Federal por dezenas de pessoas físicas e jurídicas.
O alvo principal do inquérito é o empresário Fernando Sarney, único filho do presidente do Senado que não se submeteu às urna, mas é responsável pelos negócios da família. No documento, Fernando é tratado como membro de "primeiro escalão" de uma "organização criminosa", auxiliado por Astrogildo Quental, diretor financeiro da Eletrobrás, e Silas Rondeau, ex-ministro de Minas e Energia, ambos ligados politicamente ao senador José Sarney./(Fonte:ISTOÉ)//..
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
Em sendo o Brasil um país sério, apenas êste fato, seria o suficiente para a cassação do presidente de senado brasileiro. E isto não ocorreu até o momento, em virtude de todos os políticos, sem exceções terem o chamado 'rabo preso". A maioria por atos decorrupção, e os demais por tirarem vantagens imorias dos cargos ocupados. Partidos políticos não mais teem ideologias. Transformaram-se em autênticos aglomerados políticos à tirarem vantagens pessoais com suas idéias.Transformaram-se em grandes 'quadrilhas de corrupção".





terça-feira, 28 de julho de 2009

RECÚO DO PRESIDENTE.

Lula: Senado tem 'maioridade' para resolver seu problema .
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje, em entrevista à "Rádio Correio Sat", em Campina Grande, a 120 quilômetros de João Pessoa, que "o Senado tem maioridade para resolver seu problema". "Mas o que não pode é deixar a coisa esticar e esticar", afirmou. "Se a cada dia você tem uma novidade no jornal, por menor que seja, você vai criando um desgaste na instituição", disse, sobre as denúncias quase diárias de irregularidades envolvendo o presidente do Congresso, senador José Sarney (PMDB-AP), e o ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia.
PUBLICIDADE
Ao comentar o recesso da Casa, Lula disse esperar uma definição por parte dos senadores. "Na volta do recesso, eles têm de se reunir e dizer o que querem do Senado. O que não é possível é permitir esse desgaste porque isso mata as pessoas e mata a instituição." A "Rádio Correio Sat" é de propriedade do senador Roberto Cavalcanti (PRB-PB), aliado do governador da Paraíba, José Maranhão (PMDB). Até fevereiro, Cavalcanti era suplente de do governador no Senado. Ele assumiu a vaga deixada por Maranhão assim que o ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB), eleito em 2006, foi cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por compra de votos. O presidente destacou a estratégia de conceder entrevistas à imprensa local. "É uma ideia do ministro Franklin Martins (Comunicação Social) que eu faça isso em cada Estado que visito", afirmou. A entrevista de Lula foi retransmitida por 30 emissoras e rádios comunitárias de todo o Estado.(Fonte:Yahoo)/.//.
MOMENTOBRASILCO.COM(Comentário):
Sofrendo pressão de todos os lados, inclusive da cúpula do seu PT, onde o Aloizio Mercandante(SP) e Flávio Arns(PR), deram-lhe hoje um últimato, pedindo inclusive que fossa respeitada a opinião da diretoria, Lula inicia seu hilárico processo de recúo em defesa do Sarney. Moral da história: será o Pôncio Pilatos da atualidade. A tentativa de eleger a candidata, é muito, muito mais importante e vantajoso em todos os sentidos. "Farinha pouca, meu pirão primeiro!"



segunda-feira, 27 de julho de 2009

O OBJETIVO do MOMENTOBRASILCOM.COM (I)

Nota do Editor: A finalidade precípua de ter ciado o blog MomentoBrasil, é a de divulgar o atual momento brasilero e poder expor meus pontos de vista, com uma visão imparcial. As matérias a seguir, mostram dois dos diversos motivos:
O Círculo das Quartas-Feiras
CÁSSIO SCHUBSKY
-- Muito da história brasileira pode ser contado a partir dos círculos de debates, grupos de discussão, entidades muitas vezes sem estatuto.
MONTANHAS de escândalos. Crise política atrás de crise política. Congresso em frangalhos. Afinal, os partidos políticos são fadados aos joguetes inescrupulosos do poder? A política é mesmo suja, todo mundo é corrupto e estamos definitivamente perdidos? Há salvação no reino (podre) da Dinamarca? Antes que o leitor largue mão da leitura deste texto, esclareço que não defenderei o óbvio: a necessidade de uma reforma política ampla para minimizar os efeitos funestos das nossas seculares práticas políticas. O Brasil tem salvação: depois de muito dilúvio, haverá a bonança -só que, desta feita, para o povo, para a democracia, para os valores autênticos da cidadania ultrajada. E mais não digo, para não transformar este quadrado de papel em palanque.
Gostaria de abordar uma outra faceta do ato de fazer política. Falar dos círculos de debates, dos cenáculos, dos grupos informais de encontros que tanto bem podem fazer às comunidades, às cidades e até ao país, quiçá ao mundo inteiro. Muito da história brasileira pode ser contado a partir dessas entidades muitas vezes sem estatuto, sem burocracia, que vivem da vontade de mudar o mundo. Exemplos: o grupo dos inconfidentes em Minas, que fez a conjuração e não iria, obviamente, formalizar seus pleitos em documentos oficiais escritos e ao alcance das autoridades. O movimento abolicionista, que reunia, por exemplo, jovens estudantes como Castro Alves, Rui Barbosa e Joaquim Nabuco em círculos como o Ateneu Paulistano. Ou, então, os inúmeros agrupamentos republicanos, aglutinando de estudantes a fazendeiros, de militares a rebelados de toda ordem. Às vezes as rodas informais de debate e ação política se escondem nas sombras, menos por ardil e mais por anonimato imposto pela história. Eu mesmo tive o enorme privilégio de participar de um desses centros de convivência com importante atuação política. Trata-se do Círculo das Quartas-Feiras. Fundado em 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição Federal, o círculo, como ficou carinhosamente conhecido, reunia, semanalmente, um seleto grupo de estudantes em torno do saudoso professor Goffredo da Silva Telles Júnior. Na Faculdade de Direito da USP, em cafés da manhã em hotéis ou no escritório do querido mestre, nosso Círculo das Quartas-Feiras reuniu-se por anos a fio, engrandecendo seus membros pela rica convivência. Além disso, teve destacado papel político na recente história brasileira. Fato pouco sabido. E quase nada divulgado. Foi por iniciativa do círculo que se impetrou, ainda em outubro de 1988, o primeiro mandado de segurança coletivo da história brasileira, em defesa de milhares de servidores estaduais paulistas em greve, que queriam ter garantido o sagrado direito de reunião pacífica em frente ao Palácio dos Bandeirantes, época em que a polícia do governo Quércia reprimia os manifestantes com truculência. Tudo começou com uma conjectura sobre mudanças havidas na nova Constituição. E terminou em uma ação judicial de grande repercussão no meio jurídico e na opinião pública. Também partiu do Círculo das Quartas-Feiras o primeiro grito pelo impeachment do então presidente Collor, assim que seu governo decretou medidas flagrantemente inconstitucionais, como o confisco da poupança. O que era só uma revolta de um grupo de estudantes em torno de um professor ilustre transformou-se em ação de esclarecimento de inúmeros círculos políticos e jurídicos. Quando os escândalos de corrupção se avolumaram no noticiário, a cidadania brasileira foi às ruas pelo afastamento constitucional do presidente, e o impeachment se transformou em conversa de todos os grupos de pessoas reunidas informalmente em fábricas, escolas ou botecos. Nem se imagine que as grandes mudanças começam como movimento de massa. Há sempre grupos que conspiram, positivamente, em busca de mudanças mais ou menos profundas do status quo. Às vezes por ação de indivíduos, as campanhas cívicas vão ganhando adeptos, e suas ideias chegam a tornar-se hegemônicas. Jesus Cristo, por exemplo, de perseguido por seu ideal de justiça e fraternidade, passou a messias. Tiradentes, esquartejado, sagrou-se herói. Castro Alves e Luiz Gama, entre tantos outros, viraram líderes da abolição. É assim mesmo: o rastilho de pólvora uma hora se acende, aquece os corações e detona as mais inusitadas reações populares.
É sempre hora de arregaçar as mangas, buscar parceiros de convicções, começar uma conversa aqui e outra acolá. E ir à luta!
CASSIO SCHUBSKY, formado em direito pela USP e em história pela PUC-SP, editor e historiador, é organizador do livro "Estado de Direito Já! - Os Trinta Anos da Carta aos Brasileiros".(Fonte:UOL/Debates).//.

O OBJETIVO (Parte II)

O presidente Lula tem razão: Sarney não é igual à maioria dos brasileiros. Ainda bem. Quem é Sarney? Ele é o símbolo maior do atraso.
NA PRESIDÊNCIA do Senado, José Sarney conseguiu o impossível: ser pior do que alguns dos seus antecessores, como Antonio Carlos Magalhães, Jader Barbalho e Renan Calheiros, que acabaram defenestrados. Todos negaram as acusações que pesavam sobre eles. Pareciam inabaláveis, tal qual Sarney. Porém, o velho coronel do Maranhão está conseguindo se manter no cargo por mais tempo do que seus velhos amigos. Afinal, como disse o presidente Lula, ele não é igual a nós, ele tem uma história. Lula tem razão: Sarney não é igual à maioria dos brasileiros. Ainda bem. Quem é Sarney? José Ribamar Ferreira de Araújo Costa nasceu em 1930, ano da revolução que mudou o Brasil. Paradoxalmente, ele é o símbolo maior do atraso, do passado que nunca passa, da antirrevolução. Fez a pequena política local até chegar, em 1958, ao Rio de Janeiro, como deputado federal, ainda jovem, eleito pela UDN. Participou pouco dos debates, nunca foi um bom orador. A voz soava mal, as ideias eram ultrapassadas e sem nenhuma novidade, o raciocínio era lento e era pobre sua linguagem gestual. Não tinha nada que o destacasse. Na grave conjuntura de 1963-1964, raramente apareceu nos debates. Omitiu-se. Preferiu as sombras, aguardando hora mais tranquila. Candidatou-se ao governo do Maranhão em 1965 e venceu com o apoio dos novos donos do poder, os militares. Depois foi para o Senado -e lá ficou por quase 15 anos. Se consultarmos os anais daquela Casa, raramente veremos Sarney participando de um debate. A sua preocupação central não eram os grandes problemas nacionais, nada disso. Seu pensamento e sua ação política estavam na província. Controlava as nomeações e os recursos orçamentários. Dessa forma, conservou sua força política local graças à influência que mantinha na capital federal. Mas o coronel era hábil. Não queria ser um novo Vitorino Freire, o mandão que o antecedeu. Buscou dar um verniz intelectual ao poder discricionário que exercia na província. Isso pode explicar a publicação de romances e contos, a entrada para a Academia Brasileira de Letras e o estabelecimento de amplo círculo de relações sociais com intelectuais e jornalistas. No Sul do país mostrava seu lado cosmopolita, falando de poesia e filosofia. Na província voltava ao natural, não precisava de nenhum figurino: era o senhor do baraço e do cutelo. Que digam os oposicionistas -e foram tantos- que sofreram a violência do mandão local. Lá, durante mais de 40 anos de poder, o interesse público nunca esteve separado do interesse da família Sarney e de sua parentela. Por um acaso da história, acabou presidente da República. Durante os comícios da Aliança Democrática, em 1984, ficava escondido no palanque. Quando era anunciada a sua presença, era vaiado impiedosamente. Afinal, servira fielmente o regime militar por 20 anos. A sua Presidência foi um desastre completo. Três planos de estabilização econômica. E todos fracassaram. Terminou o governo com a inflação próxima de uma taxa de 100% ao mês. Omitiu-se quanto aos principais problemas. No ocaso do governo foi instalada no Congresso Nacional uma CPI para apurar casos de corrupção, com graves acusações à gestão presidencial e a sua família, em especial seu genro, Jorge Murad. O desprestígio era tão acentuado que nenhum candidato às eleições presidenciais de 1989 -e eram mais de uma dúzia- buscou seu apoio. Mas o oligarca sobreviveu. Buscou um mandato de senador no recém-criado Amapá. Precisava como nunca da imunidade parlamentar. O tempo passou e a memória nacional foi se apagando, como sempre. O oligarca, em uma curiosa metamorfose, transformou-se em estadista. Encontraram até qualidades no seu período presidencial. Não tinha sido um indeciso. Não, nada disso. Fora um conciliador, avalista da transição para a democracia. No governo Lula, mandou mais do que na sua Presidência. Conseguiu até depor o governador Jackson Lago, que teve a ousadia de vencer nas urnas a sua filha. A sua cunhada, presidente do TRE, anulou a eleição e, pior, obteve a chancela do TSE. Contudo, não há farsa que perdure na história. O que foi revelado pela mídia nacional não é nenhuma novidade para os maranhenses. Lá, o rei está nu há muito tempo.
No encerramento do semestre legislativo, Sarney discursou para um plenário vazio.
Não houve palmas ou apupos. Desceu e caminhou pelo corredor, silenciosamente. Nas galerias não havia um simples espectador. O velho oligarca estava só. Parou e, como se dissesse adeus, dirigiu-se para seu gabinete: a tragicomédia está chegando ao fim.
MARCO ANTONIO VILLA, 54, é professor de história da UFScar (Universidade Federal de São Carlos) e autor, entre outros livros, de "Jango, um Perfil
".(Fonte:UOL).//.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

DISPARATES & DISPARATES.

SEÇÃO » Homem sem Visão(AUGUSTO NUNES/VEJA)
Mercadante, o Herói da Rendição, arrasa no 1° turno e vai para a enquete com Dilma, Carepa e Ideli .
”ENCERREM LOGO ESSA VOTAÇÃO ANTES QUE AQUELA TURMA DO MARANHÃO RESOLVA PEDIR MINHA VAGA NO SEGUNDO TURNO PRA DAR DE PRESENTE AO NAMORADO DE UMA BISNETA DO ZÉ SARNEY!”, diz o bilhete manuscrito, assinado com as iniciais D.R., recebido pelos membros da comissão organizadora do Homem sem Visão. Convencidos pelo estilo exemplarmente gentil de que a remetente é a simpática representante da tendência Ternura & Porrada, os destinatários decidiram por unanimidade encerrar a apuração um dia antes da data prevista e anunciar imediatamente os quatro mais votados no primeiro turno do Homem sem Visão de Julho. Por decisão dos 108 integrantes do colégio eleitoral, disputarão o título na enquete o senador Aloízio Mercadante (59 votos), a ministra Dilma Rousseff (13), a governadora Ana Júlia Carepa (10) e a senadora Ideli Salvatti (8). O ministro Nelson Jobim, com apenas 3 votos, amargou outro fiasco. ”Espero recuperar-me com o prejuízo que vou dar ao Brasil comprando avião francês”, limitou-se a declarar o combativo gaúcho. Tanto as governadoras Roseana Sarney e Yeda Crusius quanto o senador Eduardo Suplicy ficaram com 2 votos. Fecham a relação, todos lembrados por um único eleitor, os concorrentes Fernando Collor, Olívio Dutra, Tarso Genro, Artur Virgílio, Wellington Salgado, Flávio Dino e Gim Argello. Um voto contemplou ”todo o PT”. Só foi anulado o comentário que preferiu mandar todos os concorrentes para o inferno. Emocionado com o esplêndido desempenho, Mercadante promete ultrapassar amplamente a marca dos mil votos na enquete. ”Espero que a Dilma não bata em mim se chegar aos 2 mil”, balbuciou o Herói da Rendição. As três candidatas ao título de Mulher sem Visão do mês, ainda não alcançado por qualquer mãe-da-pátria, convocaram a imprensa para uma declaração conjunta: “Segundo turno é outra eleição”, recitou a trinca.
Que vença o pior! Ou a pior, porque pouco importa o sexo quando falta visão.//./.
NOTA do EDITOR:
Os comentários ficam com os leitores.

HONESTIDADE TEM PREÇO.

"Não submeteria o meu trabalho a ninguém. A ministro nenhum. Não aceito ingerência política." (Lina Vieira). Na manhã nublada de uma quarta-feira, segunda semana de maio, a então secretária da Receita Federal, percebeu que não completaria um ano num dos cargos mais cobiçados da administração pública. Embora ela já incomodasse setores do governo com a sua obstinada seriedade".//.
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
No país em que vivemos, apenas na bandeira nacional é que encontramos 'ordem e progresso'. Atualmente, seriedade, honestidade compustura e honradez são tão somente, adjetivos usados para definir a qualidade de pessoas otárias, babacas, abestalhadas etc. A inversão de valores é efetuada diariamente, banalizando as prerrogativas dos possuídores de caráter muitas vezes ilibados, vide a demissão extemporânea, exacerbada e demagógica da ex-secretária da Receita Federal, que por desempenhar de forma correta a sua função, desagradou o ministro Guido Mântega e a tambem diretora da Petrobrás Dilma Roussef esta, já conhecida pelao autoritarismo, truculência e modos nada gentis. Brasil: país da impunidade, da corrupção e da incerteza no futuro promissor.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

O CINISMO DO PRESIDENTE.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou a posse do novo procurador geral da República, Roberto Gurgel, na manhã desta quarta-feira, para atacar a imprensa.
- Você tem duas possibilidades. Você pode engavetar processo, você pode aceitar pressão do Poder Legislativo, você pode aceitar pressão do Poder Executivo, você pode aceitar pressão do da imprensa - que às vezes quer condenar antes do processo ser feito corretamente - disse Lula, recomendando que os membros do Ministério Público sigam os preceitos constitucionais: - Você tem vários campos de pressão que você pode ceder, mas a única coisa que dará tranquilidade a alguém que tem poder de procurador geral da República e dos membros da Procuradoria é ter como único fator de pressão as garantias constitucionais para fazer as investigações. Caso contrário estaremos absolvendo culpados e condenando inocentes.
Lula afirmou que o governo não criará dificuldades para as investigações do Ministério Público, mas recomendou que a biografia do investigado seja levada em consideração.
- Gurgel, nesse um ano e meio de convivência que vamos ter, jamais farei um pedido pessoal e jamais colocarei um alfinete para atrapalhar qualquer investigação da instituição. A única coisa que peço é que uma instituição que tem o poder do Ministério Público, garantido pela Constituição, tem o direito e a obrigação de agir com a máxima seriedade, não pensando apenas na biografia de quem está fazendo a investigação, mas pensando da mesma forma na biografia de quem está sendo investigado - disse.//.//
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
As 'abrobrinhas' proferidas por Lula em entrevistas e discursos são corriqueiras. Mas êste discurso acima, dá nojo. Nos causa asco. Usa mais uma vez o critério de dois pesos e duas medidas. Lembra-nos um velho e conhecido 'cacique político baiano' que dizia:"aos amigos tudo!. Aos inimigos a fria interpretação da lei". E Lula, segue pelo mesmo caminho. Cita a Constituição como lei maior a ser seguida pelos componentes da Procuradoria Geral da Repúlica, a mesma que desrespeita incontáveis vezes e, apenas para citarmos a mais atual, a declarada e descarada campanha presidencial antes do prazo e, desavergonhadamente deixa um últimatum aos procuradores quando fala em levar-se em consideração a biografia (leia-se nas entrelinhas de Sarney), numa clara, prepotente e ostensiva defesa do larápio amigo. Sr.Presidente: é sabido por todos, sua total falta de ética, moral e respeito para consigo mesmo, familiares e o povo brasileiro. Excetuando-se aquels que estão à seu serviço, respeite a imprensa e os profissionais que dela fazem parte. E eu faço parte. Quero e exijo o devido respeito.
























domingo, 19 de julho de 2009

O PREÇO DA VERDADE!

Passados mais de um mês das denúncias e a consequente crise no senado, nenhum parlamentar foi punido. A impunidade continua imperando no Brasil. Senadores e deputados irmanados como sempre, defendem e escudam-se uns aos outros, mantendo o costumeiro ciclo vicioso e de corrupção sem fim. Quando se trata de punir cidadãos comuns e profissionais sérios que no uso de suas funções denunciam e indignam-se com o mar de lama e podridão em que o país acha-se envolto por culpa única e exclusiva de canalhas travestidos de homens públicos, são sumariamente demitidos, como ocorreu recentemente com a jornalista SALETE LEMOS (TV Cultura/SP) por denunciar o descalabro da cobrança de juros excorchantes por parte do conglomerado financeiro atuante no Brasil, com o apoio do ministro Guido Mantega que afirmou com a maior tranquilidade que nenhum brasileiro terá prejuízo, pois o governo ressarcirá. Acontece que, esta decisão sairá dos cofres públicos ou que significa dinheiro do povo. A nação faz força(paga impostos) e o governo fica vermelho(joga-o pela janela). A imprensa em todos os seus segmentos tem de se unir para que demissões arbitrárias não voltem a ocorrer. Parabéns SALETE, pela coragem e pela diginidade!.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

ATENDA A ÊSTE CHAMADO:VALE À PENA!

JESUS! O AMIGO QUE NÃO ABANDONA NINGUEM À BEIRA DO CAMINHO!
OBS: Estamos repetindo a postagem atendendo a 48 pedidos através do E-MAIL da REDAÇÃO.


DEVOLVER DINHEIRO? È RUIM ,HEIN!

O Senado busca uma saída jurídica para legitimar a elevação secreta do valor da verba indenizatória dos 81 senadores. Em junho de 2005, a cota individual reservada a cada senador passou de R$ 12 mil para R$ 15 mil. O reajuste foi retroativo a janeiro de 2005.
O problema é que a decisão foi tomada por meio de um dos 663 atos administrativos secretos que José Sarney decidiu anular. Em tese, os senadores teriam de devolver à Viúva a diferença de R$ 3 mil que lhes chegou graças à edição do documento clandestino. Entre janeiro de 2005 e junho de 2009, decorreram 54 meses. Multiplicando-se cada um desses meses por R$ 3 mil, chega-se a R$ 162 mil. É essa a cifra que teria de ser ressarcida por todos aqueles que lançaram mão da integralidade da verba indenizatória mensal. Para evitar que os senadores tenham de levar a mão ao bolso, a assessoria jurídica do Senado prepara um arrazoado técnico. Cogita-se alegar: 1. Os senadores não tiveram responsabilidade pela não publicação do ato administrativo.
2. Feitos de boa-fé, os gastos, que se destinam a ressarcir despesas relacionadas ao exercício do mandato, foram comprovados por meio de recibos e notas fiscais.
3. Passados quatro anos e meio, o benefício reajustado (R$ 15 mil) virou “direito adquirido” dos senadores.
4. Para que seja mantido, basta que a Mesa diretora do Senado edite um novo ato, dessa vez um documento público.
5. Analisa-se se há ou não necessidade de esse novo documento ser referendado em votação no plenário do Senado.
Pretende-se isentar os senadores de responsabilidade também pelas contratações de assessores de gabinete escoradas em atos secretos.
Entre os senadores que agregaram servidores às respectivas equipes por meio de atos tisnados pelo sigilo há quatro titulares do "Conselho de Ética".
Pelas contas do Senado, foram pendurados na folha do Senado, secretamente, algo como 200 funcionários. Gente que entrou pela janela, sem concurso.
A anulação dos atos acomodou esses servidores no olho da rua. Não por muito tempo, contudo.
Os senadores que desejarem poderão solicitar a imediata recontratação dos “demitidos”, a maioria abrigada na cota destinada a prover assessoria aos gabinetes.
Tampouco os servidores serão chamados a devolver os salários que receberam indevidamente. Alega-se, de novo, que também eles agiram de boa-fé.
Tendo prestado os serviços que justificaram o contracheque, não haveria amparo legal para exigir que devolvessem o dinheiro.
Sabe-se que há entre os servidores nomeados secretamente uma penca de fantasmas. Mas não há senador que admita a existência deles.
Assim, do ponto de vista do erário, a propalada anulação dos atos clandestinos terá efeito nulo. Sindicância interna do Senado responsabilizou os ex-diretores Agaciel Maia e João Carlos Zoghbi pela ocultação dos 663 atos.
Mas, por ora, nem dessa dupla se poderá cobrar o ressarcimento do malfeito. Não foram, ainda, condenados em definitivo.
Corre contra Agaciel e Zoghbi um processo administrativo. Pode resultar em demissão. Que pode ser questionada por ambos no Judiciário.
Nessa hipótese, a sonhada reparação monetária dependerá das decisões de uma Justiça que, no Brasil, caminha a passos de tartaruga manca. (Fonte:Blog Josias de Souza).//
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
A parte do corpo que mais dói no ser humano, é o bolso. E político não é diferente. Irão lutar com unhas e dentes, para não haver devoluções. Emendas, projetos, MPs e todo tipo de 'maracutaia' irá aparecer em defesa dos apropriadores indébitos. A "Lei Gerson' é prioridade: 'levar vantagem em tudo.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

E AGORA, JOSÉ?

Para os 'inteligentes' políticos brasileiros, somente o ato de mentir é passível de cassação. E isto conteceu o com o super Zè Dirceu e o deputado Roberto Jefferson, quando comprovou-se as falsas declarações. O senador e presidente do Congresso Nacional, além de afirmar que viajou com despesas pagas por determinado empresário(o que é altamente imoral), e, que por sí só, já merece punição. Mentiu descaradamente ao afirmar que não tinha nenhuma ingestão na administrção da fundação que leva o seu nome. Ontem foi publicada pela imprensa, foto onde o todo poderoso tambem do Maranhão, aparece assinando como seu presidente vitalício o contrato com a Petrobrás, utilizando-se da Lei Rouanet (incentivo a cultura/artistas). Contra fatos, não há argumentos. Portanto a pena é cassação imediata. E sem apelação. Esperamos que STF, na pessoa do seu presidente e demais membros, façam cumprir o que determina a lei e a Constituição Federal o quanto antes, sôb pena de desmoralização ante a opinião pública. E que não nos venham com substituto similar e o famoso 'jeitinho brasileiro!. Queremos a justa aplicação da lei , e sobretudo, respeito!

terça-feira, 14 de julho de 2009

NO BONDE DA HISTÓRIA.

"Somos um povo decente governado por ladrões!" Esta manchete foi repetida algumas vezes por um jornal do Rio, no tumultuado ano de 1954, que teve seu clímax em 24 de agosto, dia em que um presidente da República que não era ladrão se matou.
Alunas de um curso de comunicação me perguntaram por que a imprensa não impede a onda de corrupção oficial que as assusta, uma delas estava tratando os papéis para ir embora definitivamente, enojada da vida nacional.
Como sempre, respondi que era a pessoa menos indicada para responder a qualquer pergunta sobre política e moral, apenas que, na faixa etária em que elas estavam, eu também pensara em dar o fora, mas por outros motivos. Anos mais tarde, peguei meus trapinhos e fui parar em Havana, não aguentando a citada "vida nacional".
Mesmo assim, lembrei que a corrupção, aqui e em qualquer lugar, nasceu lá atrás, quando o Criador mandou que todos, homem e mulher inclusive, crescessem e se multiplicassem. Esta multiplicação deu no que deu. Arrependido, o Criador não deu uma entrevista exclusiva para a "Veja". Foi bem mais radical e eficiente: abriu as cataratas do céu e inundou a Terra, só salvando um justo e os animais, um de cada espécie.
Não adiantou. As filhas de Noé embebedaram o pai e deste incesto nascemos todos. Em tempos mais românticos, quando todos andavam em bondinhos puxados por burros, um cidadão ergueu a voz e começou a citar as bandalheiras da vida nacional da época. Suando de indignação, depois de lembrar casos de nepotismo, fraude eleitoral, compras superfaturadas do governo e rombos no orçamento federal, levantou-se do banco e perguntou a todos: "Afinal, senhores, aonde estamos?" O poeta e historiador Luiz Edmundo, lá atrás, respondeu: "No bonde!" //./(Fonte:Carlos Heitor Cony)//./
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comenta):
A pergunta que nos vem à cabeça e que não quer calar:"será que a história se repete, ou simplesmente é a continuação dos fatos e dos desmando nacionais?Responda quem souber!

segunda-feira, 13 de julho de 2009

DIFÍCIL DE ACREDITAR!

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), determinou, por meio de ato nesta segunda-feira (13), a anulação de todos os 663 atos indicados como secretos por relatório de comissão instituída para investigar irregularidades na Casa. O ato assinado também determina à Diretoria-Geral que, no prazo "improrrogável de 30 dias, apresente à Comissão Diretora as providências que devem ser adotadas para ressarcir aos cofres públicos os "recursos eventualmente pagos de forma indevida". Assim, essas contratações estão automaticamente anuladas. O ato 294 ainda será publicado no boletim administrativo da Casa//./.(Fonte:Bol.com).//.
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentério):
Com toda boa vontade que possamos ter, não acreditamos na concretização desta determinação. Vários motivos nos leva a isto, sendo o principal, a corrupção instalada no país desde que nos entendemos como gente. Ou seja: décadas e décadas. Ladrão, devolver dinheiro? È mais fácil, um boi voar. Nem marginal(comun) quando preso, revela onde está a grana. Portanto, esta é mais uma anedota para o povo engolir. È o desedspero para não perder o cargo.(Foto:Col.Noblat).

sexta-feira, 10 de julho de 2009

OS PROTESTOS CONTINUAM

SÓ UMA CABEÇA DO SECULO PASSADO, ACHA QUE PODE CENSURAR A INTERNET.
Caso aproveite o recesso de julho para convalescer das canseiras do Congresso no verão europeu, o deputado federal Flávio Dino precisa preencher com muita cautela os formulários de rotina: convém driblar linhas pontilhadas e quadrinhos que induzam a confissóes de alto risco. Em países civilizados, é um perigo admitir, por exemplo, a condição de brasileiro, maranhense e parlamentar em Brasília. Pode ser prontamente associado a malandragem, José Sarney e corrupção ─ e acabar devolvido ao porto de origem sem passar da Alfândega. Talvez ultrapasse a barreira se revelar que é também militante do Partido Comunista do Brasil. Em contrapartida, não chegará ao hotel ─ e dificilmente empreenderá em vida a viagem de volta. Nenhum país moderno vai perder a chance de enriquecer o museu das velharias políticas com esse exemplar, em bom estado de conservação, de uma espécie extinta no resto do mundo. Para os cientistas políticos, um Flávio Dino tem a mesma relevância que a ararinha azul para os ambientalistas.
Bolivarianos da Venezuela, da Bolívia ou do Equador, muçulmanos-dinamite, coreanos atômicos, iranianos com o olhar de napoleão de hospício, petistas disfarçados de construtores do socialismo ─ essas excentricidades são sempre interessantes, mas aparecem todo dia e, em algumas regiões, parecem multiplicar-se feito coelhos. Flávio Dino é outra coisa. Trata-se de um genuíno comunista brasiliensis neto de Stalin e filho de Mao Tsé-tung que seguiu a linha chinesa até descobrir o paraíso albanês e ali ficar até perder a referência e o rumo. Não é pouca coisa. E não é tudo.
Flávio Dino tem só 41 anos. E anda. E fala. E já foi domesticado. Não atingiu ainda o estágio de um Aldo Rebelo, o comunista que todo capitalista selvagem adoraria ter como genro. Mas um dia chega lá, reafirmou nesta semana
o projeto produzido pelo comunista do Brasil (e do Maranhão) para aumentar o balaio de malandragens que garantem a impunidade dos políticos e reduzir a liberdade de expressão na internet.
Com a cabeça no século passado, e tentando no presente garantir o futuro com serviços prestados à base alugada, Flávio Dino propõe que sejam estendidas aos portais e sites as amarras que fazem das campanhas eleitorais no Brasil as mais tediosas e imbecis do planeta. Pura perda de tempo. Se nem ditaduras escancaradas conseguem domar a internet, não será uma velharia velhaca a autora da proeza.
Os jornalistas continuarão noticiando, os colunistas continuarão opinando, os leitores continuarão comentando.
Assim foi, é assim e assim sempre será.
(Augusto Dines/Veja).//.
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
Os políticos brasileiros por terem 'um rei na barriga' pensam que são os donos da verdade. Ilustre desconhecido da maioria dos brasileiros, encontrou com tamanha asneira seus 15 minutos de fama. E deverá voltar para seu lugar: o ostracismo.




quinta-feira, 9 de julho de 2009

AS ELEIÇÕES e o GOZADOR.

"Não podemos permitir que haja na internet propaganda caluniosa, difamatória, injuriosa, mentirosa e campanha de baixo nível. Então, estamos prevendo multas e direito de respostas. Quem for ofendido terá direito de ir ao blog, ao site e se manifestar", afirmou o relator(Flávio Dino/PCdoB/MA)."O jornalismo na internet é, foi e será permitido....(?).A propaganda eleitoral será permitida somente nos blogs, sites, comunidades e outros veículos de comunicação do próprio candidato. Não haverá restrições aos eleitores que quiserem fazer sites de apoio a políticos. O dono de um blog que difame um candidato terá que dar espaço ao atingido,como "direito de resposta".//./
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
Não podemos levar à sério, as declarações acima. O autor é tambem um tremendo "gozador". Está nos proibindo de tudo aquilo que fazem diariamente no uso de suas atribuições parlamentares(1ºparagrafo em vermelho). Não nos dão a mínima satisfação, direito de reclamar, pois os e-mails enviados para os gabinetes, retornam sem serem abertos) e agora querem exigr e tirar-nos o direito de livre expressão. E ainda vem falar em jornalismo permitido?. Agora, nos blogs, sites etc dos candidatos, pode tudo. Sr. Flávio Dino de não sei das quantas? Vai procura um picadeiro de circo para se apresentar e com uma grande melancia no pescoço para ser notado. O Brasil precisa de políticos sérios. Portanto, vá se catar.

terça-feira, 7 de julho de 2009

O JORNALISMO NO BRASIL.

Segundo o jornalista Alberto Dines em sua coluna no IG.Com "jornalismo é compromisso com interesse público, portanto missão. Sem consciência profissional é impossível derrubar um ícone do feudalismo como Josè Sarney. Sua rede de amizades e a massa de favores que distribuiu ao longo das últimas décadas em todos os poderes e em todos os níveis só poderão ser neutralizadas por jornalistas profissionalmente consciêntes.Para desencavar novo escândalo envolvendo nosso legislador-mor não bastam as técnicas investigativas. Antes e acima delas, indispensável o compromisso com a construção de uma sociedade honrada".
MOMENTOBRASILCOM.COM(comentário):
Nos últimos 10 anos pelo menos, o jornalista realmente perdeu a sua indentidade, deixando de ser cidadão, quando deixou de ser pessoa física, passando a ser pessoa jurídica, cerceando sua individualidade e sendo contratado com empresa. seguindo a rígida orientação dos contratantes(patrões),os quais por sua vez colocam em primeiro plano os interesses financeiros com governos e empresários. Poucos são os que teem contrato pela CLT.

sábado, 4 de julho de 2009

JOGO DE XADREZ: A APOSTA DO SENADO

Apanhado de surpresa com o desenrolar dos fatos no senado, Lula tenta colocar na parede seu próprio partido. Existem no momento tres facções: a favor e contra (Sarney) e aqueles que não querem comprometer-se ou saírem 'chamuscados' com a opinião pública. O senador Mercadante, diz e desdiz à todo instante. Todo êste problema, tambem ter a ver com a derrota do senador petista Tião Viana. A oposição, usa o expediente de atiçar 'gravetos à fogueira' e, de camorote, assiste o circo 'pegar fogo'. O PT tenta controlar a situação, apaziguando os ânimos, mas de forma estéril. O PMDB por sua vez, enquanto aguarda a real posição do palácio do planalto, traça planos para própria candidatura na sucessão presidencial. Para a ministra candidata, alem de queda, coice. O cronograma da Transnordestina, está absurdamente atrasdado e pelo andar da 'carruagem' a inauguração dar-se-á lá pelos idos de 2043. Assim se desenrola o Programa de Aceleração do Crescimento. E enquanto isso, o presidente do senado vai tornando-se um 'esfarrapado'(foto) moral, pois, a sonegação patrimonial tambem não é sua culpa. E sim do contador. Pobre funcionário!

sexta-feira, 3 de julho de 2009

O MEDO DO PRESIDENTE.

Após 6 anos e meio de governo, 'nunca na história dêsse país' houve tanta corrupção à descoberto. O marco inicial foi o 'caso mensalão'. Daí por diante, escândalos em cima de escândalos. E cada um mais vergonhoso. Os atuais, então,'cabeludos, barbudos e bigodudos'. Tendo consciência de que foi reeleito pela população mais pobre e carente, pois, esta teve medo de perder a 'bolsa família',votou maciçamente no 13 e, muitos governadores, deputados e vereadores foram claramente beneficiados. A atual 'fossa' destampada e à céu aberto, do congresso (senado e câmara), provocou no presidente da república pavoroso inferno pessoal e político, na medida em que, com passar dos dias, o fracasso governamental torna-se evidente, pricipamente o fantasma da 'ingovernabilidade' pelo enfraquecimento da base aliada e a inviabilidade da sucessão, pela candidata escolhida. Há algum tempo, tivemos oportunidade de escrever à respeito do poderio do PMDB e, antecipamos a posição do partido, quando afirmamos: "O PMDB é quem dá as cartas". Por direito, o Brasil é governado pelo PT. Mas, quem governa de fato, é o partido do Sarney e do Temer e, por isso pela primeira vez na história do Brasil, senado e câmara são comandados pelo mesmo partido. Portanto, com toda 'moral' do Lula e arrogância do Mercandante, sem trocadilhos, o PT não passa de coadjuvante.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

PMDB "O REIDA COCADA"

O maior partido do país e consequetemente a maior fôrça de sustentação do governo Lula, pressiona e faz o presidente da república embaraçar-se nas palavras, discursos e ações, bem acima da média costumeira. Com maioria no congresso está difícil aprovar projetos, perdendo êste trunfo, dá adeus às possibilidades de negociações, ou melhor, 'negociatas'. Todos os lances dêste jogo político, não passam de 'satisfações bestiais' para a opinião pública, pois, mesmo renunciando o poder de Sarney envolve todo o senado, na medida em que na maioria dos gabinetes e cargos de relevância, existem apadrinhados seus. Para efetuar a "profilaxia"(limpeza profunda) será necessário a demissão de mais de uma centena de funcionários. A pergunta que não quer calar, é: quem tomará esta decisão?