domingo, 13 de setembro de 2009

AGRADECIMENTOS E COMUNICADO

Muito me honra e deixa feliz, as visitas e o carinho dos amigos nos comentarios das matetrias. Ocorre que estou impossibilitado momentaneamente de continuar o trabalho do MOMENTOBRASILCOM.COM em virutde dos atuais acontecimentos policiais e o vandalismo que ora toma conta da cidade, com queima de onibus, postos e viaturas policias metralhados, fiação da rede eletrica altamente comprometida, escolas sem aulas, telefones mudos em varios pontos da cidade, e, consequentemente a internet. Por tudo isto, nosso trabalho depende da completa normalizaçao dos serviços e da situação.

domingo, 6 de setembro de 2009

UMA REALÍSTICA VISÃO DO BRASIL.

BRASIL DESFIBRADO :
Por conta de nossa formação histórica nunca tivemos uma mentalidade onde sobressaíssem valores que caracterizam certos povos. Quando a enorme colônia portuguesa foi dividida em capitanias hereditárias iniciou-se mais que uma divisão territorial uma cultura, cujos traços mais evidentes foram o individualismo, o autoritarismo, o patrimonialismo, o anticapitalismo.
Formaram-se naquelas sociedades dispersas traços culturais traduzidos em valores, atitudes, costumes, usos, tradições e comportamentos. Era uma maneira de ser, uma visão de mundo que definitivamente não incluía o sentido de pátria, nem o de espírito público, nem o de bem comum. No Brasil que aos poucos ia se moldando imperavam famílias patriarcais, em torno de cada uma gravitava um complexo clânico e uma massa de dependentes. Todos dependiam do senhor patriarcal e este foi a origem do poder personalizado que até hoje se cultua no Brasil. Dentro de suas circunstâncias este senhor subordinou os interesses gerais aos seu interesses particulares, exatamente o contrário do que existiu na formação de sociedades democráticas. Assim, desde o início, gerou-se no Brasil a sociedade desigual, onde a família e a clientela daquele senhor todo-poderoso se acomodaram de maneira passiva na dependência de um “pai” armado de castigo e recompensa. Um longo estudo de nossa história seria impossível num pequeno artigo. Esse vôo mais longo eu tentei em um de meus livros, “América Latina – Em Busca do Paraíso Perdido”. Mas apenas como entendimento do presente a partir do passado, recordo que com a vinda da corte portuguesa, em 1808, instalaram-se de uma vez por todas no Brasil as características do velho Estado português. Como escreveu Raymundo Faoro em “Os Donos do Poder”: “os reis portugueses governaram o reino como a própria casa, não distinguindo o tesouro pessoal do patrimônio público”. E o Estado brasileiro nasceu também corrupto na medida em que para tudo se dependia dele, do seu excessivo quadro de funcionários, da morosidade típica do burocrata, correndo soltas as propinas para aligeirar licenças, fornecimentos, processos, despachos, etc. Em toda parte do desajeitado e ineficiente leviatã traficavam-se influências, negociava-se a coisa pública em proveito próprio. Não se pode negar que o Brasil, em que pese manter seus contrastes regionais, suas disparidades de classes, em grande parte modernizou-se através de um processo de urbanização e industrialização. Estratos modernos se concentraram em centros urbanos mais adiantados, notadamente em São Paulo. Esse progresso, inclusive, provoca temor aos nossos vizinhos sul-americanos que nos vêem como imperialistas. Entretanto, persiste no país a mentalidade inicial, com agravantes que fazem parte da era de mediocridade, de vulgaridade, de ausência de valores, de decadência moral, intelectual e artísticas, traços que marcam a humanidade como um todo em que pese os grandes avanços científicos e tecnológicos alcançados no mundo de agora. Impressiona observar um Brasil desfibrado nas cenas que se desenrolam no presente. Se sempre houve um poder centralizador, que a partir do Executivo subordinava o Legislativo e o Judiciário, o atual governo, “pai” armado de castigo e recompensa, interfere conforme seus interesses pessoais de poder no Congresso onde uma Câmara subalterna só faz o que seu “chefe” mandar. Se no Senado reside alguma oposição, posta em foco recentemente a figura de seu presidente lembrou tempos patriarcais, complexos clânicos, clientelas, abuso de poder, algo que como apontou José Sarney, não difere do comportamento da maioria de seus pares. Já o Judiciário, incluindo sua instância mais alta, segue a tradição da impunidade que premia os poderosos, percorre a trilha ilustrada pelo antigo ditado que se dizia nas colônias espanholas: “La ley se acata pero no se cumple. Sem medo de ser feliz, Antonio Palocci é alçado a candidato enquanto o caseiro mergulha nas trevas do esquecimento e das dificuldades. Sem lei ficam desprotegidas as pessoas comuns, avança o estado de anarquia, fenece o Estado Democrático de Direito, deturpa-se a democracia, acentua-se o vale tudo da política onde apenas interessa o poder pelo poder. Quanto ao povo convertido em plebe é apenas mansa massa de manobra, anestesiada, tangida pela propaganda enganosa, pelo populismo, pelas ilusões do teatro de torpezas em que a política se aprofunda. Já não se distingue mais quem comanda a Nação, se bandidos ou mocinhos, se narcotraficantes ou instituições e, significativamente, quando o presidente da República posa para a posteridade com um colar de folhas de coca e abraçado com um representante do “socialismo do século 21”, chega-se à triste conclusão de que fazemos parte de um Brasil desfibrado. Pior, desfibrado por nossa complacência, por nossa aquiescência, por nossa cumplicidade. Não é emblemático que o povo fique sempre do lado dos bandidos e não dos policiais?
Maria Lucia Victor Barbosa é socióloga (www.maluvibar.blogspot.com )//.
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
Em homenagem a autora pelo fantástico texto, resolvemos publicá-lo. Parabéns! Maria Lúcia.

sábado, 5 de setembro de 2009

RELAX PARA DELEITE!

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

PRÉ-SAL :DENÚNCIAS.

As reservas do pré-sal foram anunciadas em novembro de 2007. Vinte e dois meses depois, o presidente Lula apresenta um projeto de lei que ninguém conhecia, sobre o qual não houve nenhum debate prévio, e quer que o Congresso o aprove a toque de caixa, em apenas 90 dias. Por que toda essa urgência agora? Para variar, o presidente Lula troca o trabalho duro de governar pelo palanque eleitoral. E vende ilusões, como já vendeu sobre o Fome Zero, o Primeiro Emprego, o biodiesel, o etanol, o PAC, a construção de 1 milhão de casas e outros anúncios bombásticos. Ilusões sobre o passado. Ele apresenta a expansão da Petrobras como obra sua, quando na verdade começou com a Lei do Petróleo proposta por FHC e aprovada em 1997, depois de dezoito meses de discussão no Congresso e contra o voto do PT. Ilusões sobre o presente. Ele elogia a Petrobras da boca para fora, quando na verdade a entregou ao fisiologismo político dos “companheiros” e aliados. Gasolina cara e diesel poluente: estas são as marcas do jeito petista de governar a maior empresa do Brasil. Diz que a Petrobrás é do povo brasileiro mas nega aquilo que FHC garantiu: o direito de usar o FGTS para comprar ações da companhia. Os trabalhadores que usaram esse direito em 2000 viram suas ações se valorizar 1.100% em dez anos. Quem vai lucrar com o novo modelo? Ilusões sobre o futuro. Ele fala do pré-sal como se o petróleo fosse começar a jorrar amanhã, quando na verdade serão precisos pelo menos dezesseis anos de investimentos gigantescos e trabalho competente para isso acontecer. Houve mais enganação no anúncio-comício. O presidente Lula exaltou o desempenho da economia brasileira, quando no seu governo o Brasil cresceu menos do que a média da América Latina e do mundo. No governo FHC, com todas as crises externas, o Brasil cresceu mais do que a América Latina. Gabou-se de ter reduzido os juros, quando na verdade o mundo inteiro reduziu seus juros muito mais do que o Brasil. Continuamos a pagar aos banqueiros as taxas de juros reais mais altas do planeta. Nunca neste país os grandes bancos privados ganharam tanto dinheiro como no governo do Partido dos Trabalhadores. Mas não respondeu à grande questão sobre o pré-sal: por que tentar mudar a lei quando quase tudo o que o governo diz querer poderia ser obtido por decreto. Aumentar a fatia do governo no petróleo produzido; fortalecer a Petrobras e aumentar a participação do governo no seu capital; preparar o Brasil para investir os recursos do pré-sal em educação, ciência e tecnologia e redução da pobreza: tudo isso pode ser feito de forma muito mais rápida e segura dentro do modelo atual. O petróleo do pré-sal é muito importante para o nosso futuro e o futuro dos nossos filhos e netos. Por isso mesmo, não pode ser sacrificado ao oportunismo de um presente irresponsável, míope, cujo único projeto real é esticar a presença no poder de um partido cansado, de uma aliança forçada, sem ideias próprias sobre o Brasil e os brasileiros. Enquanto vende ilusões, o presidente Lula põe sua tropa de choque para impedir que a CPI mostre a realidade do aparelhamento político da Petrobras. Enquanto impõe urgência ao Congresso, ganha tempo para seus “companheiros” continuarem mandando e desmandando na empresa. O petróleo é nosso, ele diz. Será, um dia, quando conseguirmos extrai- lo. Enquanto isso, as nomeações sem critério técnico, os patrocínios sem prestação de contas e as polpudas vantagens “não contabilizadas” são deles.(Sèrgio Guerra/Presid.PSB)//.
(COMENTÁRIO DO AUTOR):
Não é desconhecimento para ninguém, que há algum tempo grande parte do povo sofrido, ignorante, omisso e desinformado se contitui em importante massa de manobra para fins puramente eleitoreiros. Convenhamos que, não é com a distribuição de bolsas-esmolas que teremos um país justo e progressista. A ideologia sem qualquer plano de governo e sim de poder, camuflada por trás dos grandes interesses políticos está levando o Brasil a um perigoso e nefasto retrocesso. O verdadeiro e único objetivo do atual governo é implantar no país, a retrógrada Ditadura Comunista do Proletariado. A mentira e a dissimulação viraram suas marcas registradas, os escândalos são diários e todos os corruptos são protegidos pelo Presimente e sua corja. Para onde foram os mais nobres valores éticos e morais da nossa sociedade? Afinal é este tipo de comportamento que queremos para os nossos filhos e netos?//.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

MAIS UM BABACA!

Calma, pessoal: controlar a web é simplesmente impossível;
Poucas vezes, que me lembre, os parlamentares brasileiros discutiram medidas tão ridículas, absurdas e impraticáveis como estas previstas na nova lei eleitoral. Eles conseguem se superar a cada dia _ a cada dia são piores. Parecem viver em outro mundo. As restrições que querem impor à internet durante os períodos eleitorais, enquadrando blogs e sites como se fossem concessões públicas, a exemplo do rádio e da TV, é coisa de quem não entende nada do assunto _ não sabe que é impossível. Será que alguém já avisou às excelências que qualquer um hoje pode montar seu site ou blog e manifestar suas opiniões sem pedir licença para ninguém, e abrigar o dito cujo em qualquer provedor daqui ou do exterior? Quem é capaz de controlar isso? Claro que cada um tem que ser penalmente responsável por aquilo que escreve e pelos comentários de terceiros que publica. Mas impor regras a priori, como assim? Quer dizer que se eu escrever algo sobre determinado candidato serei obrigado a escrever sobre todos os outros, todos os dias, qualquer que seja o assunto? Crimes contra a honra, na maioria das vezes sem direito de resposta e sem processo, são cometidos diariamente em todas as mídias, velhas ou novas. Alguns blogs fazem um verdadeiro passeio pelo Código Penal, perpretrando crimes variados com ofensas graves, que não poupam sequer o presidente da República. A partir do momento em que o STF acabou este ano com qualquer regulamentação do setor, com os aplausos da grande mídia, a comunicação social no Brasil virou uma terra de ninguém, um vale-tudo sem leis. Como é que agora a legislação eleitoral vai querer garantir os direitos, não apenas dos candidatos, mas de toda a sociedade de se defender dos abusos? Só este modesto Balaio, que ainda vai completar um ano no ar, já recebeu links de outros 50 mil blogs espalhados pelo Brasil. Se eu escrever alguma coisa aqui que contraria a lei, quem vai monitorar e punir os outros que colocaram este texto em seus blogs? Sabem todos, menos alguns parlamentares brasileiros, que a web cresce em progressão geométrica no mundo inteiro _ já somos 60 milhões ligados à grande rede aqui no Brasil _ e uma das principais razões para isso é que todo mundo virou receptor e emissor de informações e opiniões. Acabou a reserva de mercado dos “formadores de opinião”. Entende-se desta forma a repulsa generalizada da sociedade, e não apenas dos internautas e blogueiros, à camisa de força que a Câmara e o Senado estão querendo vestir na web. Na mesma quarta-feira em que os relatores do projeto da nova lei eleitoral no Senado, Marco Maciel (DEM-PE) e Eduardo Azeredo (PSDB-MG), defenderam as restrições anteriormente já aprovadas na Câmara, outros senadores os alertaram para a bobagem que o Congresso Nacional estava ameaçando fazer. O monstrengo agora deve ir para o plenário do Senado. Os nobres parlamentares poderiam aproveitar para discutir a proposta do senador Aloízio Mercandante (PT-SP) para se regulamentar urgentemente o direito de resposta _ e não apenas durante os períodos eleitorais. Muita calma nesta hora, pessoal. Não é preciso ficar bravo e dar uma de herói, nem perder a paciência. Do jeito que está, esta lei nunca vai entrar em vigor _ e, se entrar, não tem como ser cumprida. //(Fonte: Balaio do Ricardo)

MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário):
O autor da matéria faz esta crítica porque alem de ter um blog e, mesmo perdendo o emprego no governo, continua senso puxa-saco deLula & cia. Do contrário, esta matéria não seria escrita, muito menos publicada.



O BLA´-BLA-BLÁ DO SENADO.

Senado agora pode liberar internet em 2010.
Os senadores recuaram parcialmente da decisão de impor restrições à internet durante períodos eleitorais. A ideia era equiparar a web ao rádio e à TV, cujos conteúdos são rigidamente monitorados e não têm liberdade para veicular análises, comentários e peças humorísticas sobre os candidatos. As restrições estão contidas no projeto de lei eleitoral já aprovado na Câmara. Os relatores do texto eram favoráveis à imposição do uso da internet na eleição do ano que vem. Marco Maciel (DEM-PE) e Eduardo Azeredo (PSDB-MG) acabaram bombardeados por vários colegas. No final do dia, a votação do projeto foi adiada para a semana que vem. Os líderes do PSDB, Arthur Virgílio (AM), e do PT, Aloizio Mercadante (SP), estudam fórmulas de retirar as restrições à internet. O petista disse que proporá "eliminar a equiparação da internet ao rádio e à TV", mas que manterá um dispositivo que garanta direito de defesa a quem se sentir ofendido.
Ontem surgiu mais um argumento jurídico em defesa do conteúdo livre na internet. O ministro do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto enviou para publicação o acórdão (resultado do julgamento) da Lei de Imprensa, realizado em abril --quando essa legislação foi considerada inconstitucional. No texto, ele deixa claro o caráter livre da web: "Silenciando a Constituição quanto ao regime jurídico da internet, não há como se lhe recusar a qualificação de território virtual livremente veiculador de ideias, debate, notícia e tudo o mais que se contenha no conceito essencial da plenitude de informação jornalística". Apesar de tudo caminhar para uma solução de liberação total do conteúdo na rede, há senadores reticentes. Eduardo Azeredo pretende fazer alguma emenda ao texto que libere só textos na internet, mas proíba o livre uso de áudio e vídeo. "O YouTube seguirá as regras de TV", disse Azeredo sobre o site de compartilhamento de vídeos. O tucano não sabe dizer como seria possível impedir alguém de fazer um site no exterior e divulgar vídeos a favor ou contra um candidato (a partir de 1º de julho). E insiste que deverão ser seguidas na internet as "regras de TV quando for semelhante à TV, e de rádio quando for semelhante ao rádio". Rádio e TV são concessões públicas, ao contrário da internet. Ele também não sabe como deveriam se comportar os sites de jornais que oferecem vídeos junto aos textos publicados no meio impresso. Em tese, não há restrição ao que está só escrito, mas sim ao material complementar de áudio e vídeo.//(Fonte:FOLHA)//
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário)//.
E o bla-blá-blá de Sarney e seus pares, continuam nos noticiários. È humanamente impossível qualquer controle na grande rede. A Internet tornou-se grandiosa e potente. È universal. Como foi citado na matéria acima, provedores, hospedeiros etc poderão vir de outros paises tranquilamente. Esta é uma guerra, que aquele que tentar lutar contra, será esmagado, triturado... e, se por ventura restar algo, as correntes de ar ou as marinhas, encarregaram-se de diluir. Portanto, não percam tempo! Ocupem-se com outros problemas. Preferencialmente, os sociais do país.





PELA MORALIZAÇÃO DO CONGRESSO NACIONAL.

Para aprovação da Lei 9840 são necessárias 1.300.000 assinaturas.
Faltam somente 200.000 assinaturas.
Ajudem a limpar o Congresso dos políticos com ficha suja..


Estamos tb apoiando a campanha do:www.caranovanocongresso.blogspot.com e que consigamos mais adéptos. Os amigos, leitores e seguidores estão convidados.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

"CONDECORAÇÕES" MIL

Agradeço lisonjeado a todos os amigos e leitores do


http://www.momentobrasilcom.blogspot.com/pelas inúmeras homenagens e declarações de carinho que são transformadas em selos/prêmios. Sinto-me concorrente de algum General de Brigada com tantas medalhas. Torno-me repetitivo, ao afirmar que, não era, nem é, minha intenção. Garanto-lhes que o objetivo maior do site e meu, continuarão, assim como o do http://www.cpi-brasil.blogspot.com/ e toda a turma. Afinal de contas, respeito, confiança e credibilidade, não se compram. Conquista-se!.O primeiro selo/prêmio, recebí do http://www.entremeios-angela.blogspot.com/ e o divido com todos os blogs de poesias, artesanatos, curiosidades etc.(seguidores). Aqueles que não sejam noticiosos ou de protesto, pois, o site "Blog Day"desde2005 incentiva a que se faça no dia 31 de Agosto decada ano, uma postagem indicando blogs que tenham atuações totalmente diferentes da nossa área de atuação.
Já o segundo selo, divido-o com:
1-Brasil Livre e Democrata.blogspot.com 2-Folha de Batalha.com 3-Alerta Brasil.blogspot.com 4-Casa de Mãe Joana.com 5-Novoblogdoclausewitz.blogspot.com 6-Quiprocodosaci.blogspot.com 7-Surtadascomx.blogspot.com 8-Omundobythais.blogspot.com


terça-feira, 1 de setembro de 2009

ALFINETADAS QUE INCOMODAM E DOEM.

Marina critica Lula por MP que regula terras na Amazônia :
Um dia depois de oficializar sua filiação ao PV, a senadora Marina Silva (AC) deu sinais ontem sobre o tom do discurso que poderá adotar numa eventual campanha presidencial, atingindo em cheio o candidato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ex-ministra do Meio Ambiente, Marina criticou o governo na área ambiental após seu desligamento do ministério. "Alguns retrocessos aconteceram depois dessa saída. A medida provisória (MP) que transferiu 67 milhões de hectares de terras na Amazônia para particulares quando precisávamos de apenas 7 milhões para atender 80% dos posseiros foi algo muito preocupante e, no meu entendimento, um retrocesso." A senadora referiu-se à MP 458, aprovada neste ano, para regulamentar a situação fundiária na Amazônia Legal. Na época, ainda filiada ao PT, ela foi contra o texto. Ontem, Marina voltou a carga contra a medida e afirmou que a decisão do governo poderá levar a um aumento do desmatamento na Amazônia. "O desmatamento corre sério risco de crescer", afirmou ela, em entrevista ao Programa do Jô, na Rede Globo, exibido ontem à noite.A senadora também citou outro caso em que considera ter ocorrido um prejuízo ao trabalho que vinha sendo conduzido por ela à frente do ministério. "Algumas outras pedras, como a proteção do patrimônio espeleológico do Brasil, que são as nossas cavernas, isso já retrocedeu", disse.Apesar do discurso afiado contra o governo, de um aumento de sua exposição à mídia nos últimos dias e do clima de lançamento de sua candidatura anteontem no evento de filiação ao PV, Marina repetiu que não está nada decidido sobre uma candidatura à Presidência da República. "Candidatura é algo a ser discutido em 2010", disse. Indagada após a entrevista pelos repórteres se apoiaria o PT num eventual segundo turno, depois de toda a sua trajetória no parti do, Marina desconversou. "Por que você está eliminando meu partido no primeiro turno? Não tem sentido sua pergunta."//.(Fonte:O Estado de S. Paulo.)//.
MOMENTOBRASILCOM.COM(Comentário)//.
A reação de Marina Silva, ao programa de governo para a região amazônica, data de algum tempo. O que não era esperado para o momento, seriam as 'alfinetadas' contundentes e que começam a preocupar o planalto. Ontem no programa do JÔ, teve oportunidade de posicinar-se de forma mais ampla e dizer o que espera do governo federal a respeito da questão. A grande verdade, é que nem ela mesma esperava 'balançar o coreto' de forma tão forte, quanto os fatos estão indicando. Pelo que estamos acompanhando, ela trará algumas 'figuras de peso' no PT para sua caminhada e boa parte da oposição começa a sinalizar apoio em torno do seu nome. Mesm sendo a luta de "Daví contra Golias ", certamente vai incomodar, e muito!