sábado, 30 de novembro de 2013

SENDA CONSCIENCIAL












MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
È necessário que desenvolvamos o potencial secreto que há em cada um de nós; aquele maravilhoso potencial de luz para que aumentem os nossos momentos maravilhosos.
Como sabemos, estamos reencarnados com a finalidade de aprendermos uma série de coisas visando o nosso progresso e consequente evolução. Ao longo desse aprendizados conhecemos e/ou convivemos com pessoas de variados tipos. Umas maravilhosas; outras, complicadíssimas. e esta dualidade de coisas e de seres, o melhor e o pior da humanidade segue o rítmo da vida, juntinhos com nós mesmos. Dentro de nós,  ocorre a mesma coisa ( o melhor e o pior). Nos momentos maravilhosos somos generosos; nos momentos tristes, somos terríveis.  Assim, oscilamos entre nossa natureza espiritual e nossa natureza violenta e primitiva. Por isso, oscilamos em vários momentos quando somos brilhantes ou deprimidos, por não conseguirmos em constante centro de equilibrio em nós mesmos.
E a vida vai passando... Pessoas vão e vêm, e nós aprendendo sôbre o melhor e o pior delas, assim como em nós mesmos.






sexta-feira, 29 de novembro de 2013

...E QUE LIÇÃO!!!!







DESPACHO INUSITADO DE UM JUIZ EM UMA SENTENÇA JUDICIAL ENVOLVENDO 2 POBRES COITADOS QUE FURTARAM 2 MELANCIAS.



DESPACHO POUCO COMUM

A Escola Nacional de Magistratura incluiu em seu banco de sentenças, o despacho pouco comum do juiz Rafael Gonçalves de Paula, da 3ª Vara Criminal da Comarca de Palmas, em Tocantins. A entidade considerou de bom senso a decisão de seu associado, mandando soltar Saul Rodrigues Rocha e Hagamenon Rodrigues Rocha, detidos sob acusação de furtarem duas melancias:

DESPACHO JUDICIAL.
DECISÃO PROFERIDA PELO JUIZ RAFAEL GONÇALVES DE PAULA
NOS AUTOS DO PROC Nº. 124/03 - 3ª Vara Criminal da Comarca de Palmas/TO:
DECISÃO

Trata-se de auto de prisão em flagrante de Saul Rodrigues Rocha e Hagamenon Rodrigues Rocha, que foram detidos em virtude do suposto furto de duas (2) melancias. Instado a se manifestar, o Sr. Promotor de Justiça opinou pela manutenção dos indiciados na prisão.
Para conceder a liberdade aos indiciados, eu poderia invocar inúmeros fundamentos: os ensinamentos de Jesus Cristo, Buda e Ghandi, o Direito Natural, o princípio da insignificância ou bagatela, o princípio da intervenção mínima, os princípios do chamado Direito alternativo, o furto famélico, a injustiça da prisão de um lavrador e de um auxiliar de serviços gerais em contraposição à liberdade dos engravatados e dos políticos do mensalão deste governo, que sonegam milhões dos cofres públicos, o risco de se colocar os indiciados na Universidade do Crime (o sistema penitenciário nacional)...
Poderia sustentar que duas melancias não enriquecem nem empobrecem ninguém. Poderia aproveitar para fazer um discurso contra a situação econômica brasileira, que mantém 95% da população sobrevivendo com o mínimo necessário apesar da promessa deste ou desta presidente que muito fala, nada sabe e pouco faz.
Poderia brandir minha ira contra os neo-liberais, o consenso de Washington, a cartilha demagógica da esquerda, a utopia do socialismo, a colonização européia....
Poderia dizer que os governantes das grandes potências mundiais jogam bilhões de dólares em bombas na cabeça dos iraquianos, enquanto bilhões de seres humanos passam fome pela Terra - e aí, cadê a Justiça nesse mundo?
Poderia mesmo admitir minha mediocridade por não saber argumentar diante de tamanha obviedade.
Tantas são as possibilidades que ousarei agir em total desprezo às normas técnicas: não vou apontar nenhum desses fundamentos como razão de decidir.
Simplesmente mandarei soltar os indiciados. Quem quiser que escolha o motivo.

Expeçam-se os alvarás.
Intimem-se.

Rafael Gonçalves de Paula

Juiz de Direito

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

OBRIGADO?



MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
Uma análise perfeita







Se o mensalão não tivesse existido, ou se não fosse descoberto, ou se Roberto Jefferson não o denunciasse, muito provavelmente não seria Dilma, mas Zé Dirceu o ocupante do Palácio da Alvorada, de onde certamente nunca mais sairia. Roberto Jefferson tem todos os motivos para exigir seu crédito e nossa eterna gratidão por seu feito heróico:
"Eu salvei o Brasil do Zé Dirceu".

Em 2005, Dirceu dominava o governo e o PT, tinha Lula na mão, era o candidato natural à sua sucessão. E passaria como um trator sobre quem ousasse se opor à sua missão histórica. Sua companheira de armas Dilma Rousseff poderia ser, no máximo, sua chefe da Casa Civil, ou presidente da Petrobrás.
Com uma campanha milionária comandada por João Santana, bancada por montanhas de recursos não contabilizados arrecadados pelo nosso Delúbio, e Lula com 85% de popularidade animando os palanques, massacraria Serra no primeiro turno e subiria a rampa do Planalto nos braços do povo, com o grito de guerra ecoando na esplanada: "Dirceu
guerreiro/do povo brasileiro". Ufa!
A Jefferson também devemos a criação do termo "mensalão". Ele sabia que os pagamentos não eram mensais, mas a periodicidade era irrelevante. O importante era o dinheirão. Foi o seu instinto marqueteiro que o levou a cunhar o histórico apelido que popularizou a Ação Penal 470 e gerou a aviltante condição de "mensaleiro", que perseguirá para sempre até os eventuais absolvidos.
O que poderia expressar melhor a idéia de uma conspiração para controlar o Estado com uma base parlamentar comprada com dinheiro público e sujo? Nem Nizan Guanaes, Duda Mendonça e Washington Olivetto, juntos, criariam uma marca mais forte e eficiente.
Mas, antes de qualquer motivação política, a explosão do maior escândalo do Brasil moderno é fruto de um confronto pessoal, movido pelos instintos mais primitivos, entre Jefferson e Dirceu. Como Nina e Carminha da política, é a história de uma vingança suicida, uma metáfora da luta do mal contra o mal, num choque de titãs em que se confundem o épico e o patético, o trágico e o cômico, a coragem e a vilania. Feitos um para o outro.
O "chefe" sempre foi José Dirceu. Combativo, inteligente, universitário - não sei se completou o curso - fala vários idiomas, treinado em Cuba e na Antiga União Soviética, entre outras coisas. E com uma fé cega em implantar a Ditadura do Proletariado a "La Cuba".
Para isso usou e abusou de várias pessoas e, a mais importante - pelos resultados alcançados - era Lula. Ignorante, iletrado, desonesto, sem ideais, mas um grande manipulador de pessoas, era o joguete ideal para o inspirado José Dirceu.
Lula não tinha caráter nem ética, e até contava, entre risos, que sua família só comia carne quando seu irmão "roubava" mortadela no mercado onde trabalhava. Ou seja, o padrão ético era frágil. E ele, o Dirceu, que fizera tudo direitinho, estava na hora de colher os frutos e implantar seu sonho no país.
Aí surgiu Roberto Jefferson... e deu no que deu.


Fonte:Nelson Motta - O Estado de S.Paulo

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

PIADA NATALINA

MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
José "Mensalinho" Dirceu: comida, roupa lavada e... R$20 mil por mês. Isso é piada nacional. Mais uma 'armação' do PT e seus comparsas. O proprietário do hotel em Brasília, é filiado ao PTN, partido componente da base aliada ao Governo federal. Mais uma maracutaia armada pelos petistas. Os turistas em visita a capital do país, podem doravante, visitar os pontos turísticos da 'nova cap', passar pela Papuda e depois hospedar-se no hotel onde o gerente é condenado e cumpre pena à noite.









segunda-feira, 25 de novembro de 2013

JOGO SUJO NA CAMPANHA 2014













A campanha eleitoral de 2014 deverá ser cruel e suja.
MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
Indícios não faltam para pressupor-se que o jogo será sujo(?). As denuncias de corrupção será a bola da vez e protagonizarão o debate eleitoral, substituindo os debates sobre os grandes e graves problemas do Brasil, embora saibamos que esse tipo de abordagem tira mais votos que dá aos candidatos que a utilizam no horário eleitoral. As mídias sociais ocupam cada vez mais espaços e nelas a campanha já começou. Um grande 'exercito' de internautas já está à postos, e, a luta promete ser cruenta e suja, não esquecendo-se que esse tom poderá ser dado nas ruas (vide a força das manifestações de junho passado). Outro fato a considerar-se é que não foi à toa que o Congresso limitou a propaganda visual. A maioria dos componentes dessas manifestações é avessa aos partidos políticos, sem se falar nos que estão no poder. Irão tambem aparecer de parte a parte, os famosos 'dossies' fajutos denegrindo imagens de adversários.
Em suma: o 'jogo sujo" irá permanecer.








domingo, 24 de novembro de 2013

RELAX DOMINICAL

MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
Para relembrar.









quinta-feira, 21 de novembro de 2013

BAHIA: UM DESGOVERNO PETISTA


MOMENTOBRASIL.COM(comentário):
De 13 a 16 do corrente, a Bôa Terra sediou o congresso nacional de ginecologia.Cerca de 6 mil profissionais da área tiveram a maior decepção ao participarem do evento no Centro de Convenções. Foi uma 'fartura' total; faltou tudo: da água nos sanitários a falta de energia fato que originou o não funcionamento dos elevadores. vale salientar que o atual governador sr. Jaques Wagner(PT) é amissíssimo da gerentona Dilma e amigo íntimo do "Marolinha", a ponto de se tratarem como "sapo barbudo" e "galego" respectivamente. Portanto, o referido governador tem tudo nas mãos para fazer um governo impecável. Diante de tanta amizade, recursos financeiros não faltam. Ocorre que, nenhum governante desse país, está preocupado com o povo. Diante de tanta irresponsabilidade dentre outros descalabros, será impossível o povo baiano reelegê-lo. Até para síndico do condomínio onde mora conseguirá a eleição.
A Bahia tem tradição em receber bem os vistantes e, não é à toa que é conhecida como "Terra Hospitaleira" e seu povo não merece tamanha vergonha.
A Bahia e os baianos merecem respeito!!!!!









terça-feira, 19 de novembro de 2013

FALÁCIA DO "MAROLINHA"









MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
Pau que nasce torto, não tem jeito!. Morre torto. E o ex-presidente, para não perder o costume, continua dizendo abobrinhas e mais abobrinhas. Em diminuto pronunciamento (ele que adora um microfone e câmera de tv), disse que o julgamento dos 'cumpanhêro' é político e, que vai aguardar mais um tempo para ver como as 'coisas' ficarão. Ora, julgamento político foi para aqueles que defendem abertamente o Governo. Para o presdiente do STF e nação brasileira foi segundo manda a Lei. E sem essa, senhores advogados, de alardearem o direito de cada condenado cumprir pena na cidade de origem ou residencial. A pena será cumprida em local determinado pela suprema Côrte. Ou será que os 'nobres' profissionais do Direito, desconhecem determinadas leis?
A Presidanta, desde o inicio de prisões está 'caladinha da silva' e permanece muda. Mas, esse fato justifica-se: o medo de algum pronunciamento presidencial prejudicar a campanha eleitoral. O antigo 'companheirismo' sumiu como num passe de mágica.
Que partido é esse? que união é essa?
Como diz o 'velho deitado': "Quem tem, TEM MEDO".








domingo, 17 de novembro de 2013

RELAX DOMIICAL

MOMENTOBRASIL.COM(C0mentário):
Remexendo o baú.









sexta-feira, 15 de novembro de 2013

AINDA SOBRE O MAIS MEDICO.




MOMENTOBRASIL.COM.(Comentário):
Para analise e reflexão dos amigos leitores.









"O Programa Mais Médicos trará benefícios inegáveis"
O presidente do Hospital Israelita Albert Einstein afirma que a iniciativa do governo federal ajudará uma população que sofre, sem saber, de males como diabetes e hipertensão
por Mônica Tarantino
EVIDÊNCIAS 
Para aumentar a qualidade do atendimento, Lottenberg defende a adoção
de modelos de tratamentos certificados por diversos estudos científicos

O desperdício de recursos, seja tempo, seja dinheiro ou tecnologia, está entre as poucas coisas que realmente irritam o oftalmologista Claudio Lottenberg, 53 anos. Há 11 anos à frente do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo – considerado o melhor da América Latina –, ele é responsável por sua expansão e pelas parcerias firmadas com o setor público. Desde 2008, por exemplo, a instituição assumiu a gestão do hospital municipal Moysés Deutsch, na zona sul paulistana. Lottenberg une a experiência de gestor privado e público com a de médico para fazer diagnósticos da saúde brasileira. A princípio crítico do Programa Mais Médicos, ele agora combate o radicalismo contra a iniciativa. “O programa trará benefícios inegáveis em locais onde não havia ninguém. Mas é uma medida compensatória”, afirma. “Precisamos agora de medidas que estruturem o sistema de saúde para conter a elevação dos custos e qualificar o capital humano.” Lottenberg concedeu esta entrevista logo após sua chegada de uma viagem a Israel. Enquanto respondia às perguntas, fez a barba, tomou chá, pediu uma pausa para trocar a camiseta branca por uma camisa azul-clara, bem passada e ligeiramente folgada, checou o celular e ajustou a gravata para a foto, tudo isso sem perder o fio da meada nem sequer por um segundo.ENTRE-03-IE-2294.jpg
"Os profissionais do Exterior não vão competir em São Paulo. 
Eles estarão no interior do País, como no Acre, Estado onde 
o governador não consegue intensivistas nem por R$ 25 mil”

ENTRE-02-IE-2294.jpg
“Uma nova tecnologia ou medicamento sempre 
agregam custo, mas não trazem necessariamente valor"


Istoé -

O que acha do Programa Mais Médicos?


Claudio Lottenberg -
É um programa que nasce como uma iniciativa de curto prazo, voltado para suprir carências. A presença dos médicos em localidades onde não havia ninguém para atender a população trará bons resultados. Eles irão dar assistência a pessoas que sofrem, sem saber, de males como pressão alta e diabetes. Isso não demanda alta tecnologia, mas um médico bem preparado. Outro acerto é o fato de a sociedade se mobilizar em torno do reconhecimento de que a falta de médicos e sua má distribuição são um problema.
Istoé -
Como considera a reação negativa de boa parte dos médicos brasileiros?


Claudio Lottenberg -
Questiono-me se nós médicos não temos sido excessivamente reativos ao programa. Os profissionais do Exterior não vão competir em São Paulo. Eles estarão no interior do País, como no Acre, Estado onde o governador Tião Viana disse não conseguir médicos intensivistas nem por R$ 25 mil. Não se pode lidar com um problema dessa magnitude na base do contra ou do a favor. É uma questão de saúde pública que tem inúmeros desdobramentos sociais.
Istoé -
Um dos argumentos contrários é o de que o programa não apresenta uma solução definitiva para a saúde.


Claudio Lottenberg -
Realmente, o que não pode acontecer é que o problema se torne perene, sem mudanças, sem que haja uma maior sinergia com as lideranças médicas do País, sem criatividade na formação do capital humano, incentivos para a mobilidade e nem um plano de carreira. Fundamentalmente, o programa é uma política compensatória, que não terá efeito de estruturação do sistema de saúde. Mas ele trará benefícios inegáveis onde antes não havia ninguém para atender a população.
Istoé -
Os médicos também reclamaram que, da forma como a iniciativa foi divulgada, pareceu que a culpa pelas deficiências no atendimento era somente da classe.


Claudio Lottenberg -
O assunto propiciou entendimentos equivocados que precisam ser administrados. Não se pode responsabilizar os médicos pela carência da assistência em localidades mais distantes ou pelo fracasso de um sistema de saúde. Boa parte da população está com essa impressão, que não é real. É preciso entender que o médico é um ser humano a quem está sendo ofertada uma oportunidade profissional que tem prós e contras, e que ele tem necessidades que transcendem a atividade de trabalho, como todos. O médico tem filhos na escola, família.
stoé -
Pode dar exemplos do que considera políticas capazes de estruturar a saúde brasileira?


Claudio Lottenberg -
Diante do fato de que saúde não tem preço, mas tem custo, é necessário adotar ferramentas de gestão para administrar corretamente. Se isso não for feito, ele se tornará insustentável. A área da saúde registra índices inflacionários muito maiores do que os da economia em geral.
Istoé -
Quais fatores influenciam a inflação no setor?


Claudio Lottenberg -
Os mais importantes estão ligados à incorporação de novas tecnologias. Não se pode fazer isso sem a perspectiva da economia em saúde. Essa avaliação precisa ser feita, uma vez que uma nova tecnologia ou medicamento sempre agregam custo, mas não trazem necessariamente valor. Muitas vezes, vale incorporar novos métodos pela resolutividade que eles possuem, mas isso tem que ser cuidadosamente ponderado. Nesse sentido, a comunidade médica está diante do desafio de refletir sobre a sua realidade. Será que não estamos concordando e nos submetendo às regras da indústria farmacêutica e de equipamentos, sem perceber a extensão de seu impacto? Nos Estados Unidos, cada vez que a agência reguladora FDA aprova um procedimento, produto ou aparelho, está implícito que as fontes pagadoras deverão pagar por ele. Isso gerou um déficit imenso.
Istoé -
Quais critérios devem ser usados para medir a eficiência de um serviço de saúde?


Claudio Lottenberg - Sem protocolos de tratamentos baseados em inúmeros estudos – o que gera evidências clínicas de eficácia – e a padronização de medicamentos, não há como medir resultados e, portanto, não há como melhorar. Parte disso pode acontecer com o incentivo à participação mais direta do setor privado no atendimento à saúde pública.
Istoé -

Por quê?


Claudio Lottenberg -
A área privada já está mais adaptada ao uso desses parâmetros.
Istoé -
O sr. acaba de se filiar ao Partido Republicano. Por que deseja trocar o sucesso à frente do hospital pelos solavancos da vida política?


Claudio Lottenberg -
O fato de me filiar a um partido não significa fazer trocas ou mudanças. Apenas me habilitei a participar de um processo. Sou um gestor público e privado na área da saúde e estou pronto para enfrentar desafios.
Istoé -
Foi o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que encorajou sua filiação?


Claudio Lottenberg -
O ministro Padilha me incentivou, mas não foi só ele. Tenho apoio da família, da minha comunidade, do segmento da saúde, de líderes empresariais e do campo político brasileiro. Esse sentimento de solidariedade tem sido muito estimulante.
Istoé -
O ex-vice-presidente José Alencar foi do PR. O lugar dele está vago na política brasileira?


Claudio Lottenberg -
Não me sinto confortável em dizer se existe um vazio, mas Alencar marcou nossa história. Gostava muito dele e o atendi como médico algumas vezes. Era um político habilidoso que tinha a virtude de ouvir todos os lados e de aproximar as pessoas para que chegassem a acordos sobre questões delicadas. Foi um edificador de aproximação de alas que até então pouco conversavam. Até que fosse eleito, o País havia se esquecido da importância de um vice-presidente.
Istoé -
Que marcas da sua gestão à frente do Einstein podem ser úteis para a saúde pública?


Claudio Lottenberg -
Foi na minha administração que o hospital aumentou sua participação na saúde pública, no compartilhamento de seus avanços em gestão e na criação de protocolos de saúde. Tornei a instituição pelo menos duas vezes maior do que o nosso principal concorrente sem perder o foco da qualidade. Criamos uma estrutura diversificada de laboratórios e ambulatórios que agilizam o atendimento e temos o maior e melhor serviço de transplante de fígado acessível aos usuários do SUS. Fazemos em média 250 transplantes por ano e mantemos um amplo programa filantrópico.
Istoé -
Que mudanças terá o currículo da faculdade de medicina a ser lançada pelo Einstein em 2015?


Claudio Lottenberg -
O papel do médico está mudando e é necessário formar líderes. Quero uma escola de onde saiam profissionais com noções de gestão em saúde e governança corporativa para tomar decisões. Eles serão formados para o trabalho em equipe, operação de estruturas e processos e para enxergar a necessidade dos pacientes com a consciência de que o indivíduo à sua frente está inserido em um contexto maior. Quero que o médico entenda que a saúde depende de financiamento, acesso e humanismo. Medicina não consiste apenas em tecnologia, mas é, antes disso, envolvimento e confiança. Investiremos R$ 50 milhões na construção de um novo prédio.
Istoé -
Já sabe quanto custará a mensalidade?


Claudio Lottenberg -
Sei que elas serão competitivas em comparação com as instituições privadas e adequadas para a qualidade de ensino que desejamos. Haverá, porém, um sistema de bolsas e incentivos para atrair os melhores alunos. Eu mesmo pude estudar com bolsas de estudo.
Istoé -
O que o levou a Israel?


Claudio Lottenberg -
Sou presidente da Confederação Israelita do Brasil e vice-presidente do Congresso Mundial Judaico. Fui a um encontro dessa entidade. Ir a Israel me remete às grandes questões humanistas e contemporâneas, como as negociações de paz, e aos valores que me formaram. Estudei lá por um período e sempre me impressiono com o sistema de saúde israelense, que é também universalizante, proporcionalmente maior do que o brasileiro, dotado de muitos centros de alta tecnologia com as portas abertas ao público, como o hospital de Hadassa, criado antes mesmo do Estado de Israel.
Istoé -
E o que trouxe para o Brasil desta vez?


Claudio Lottenberg -
Desta viagem, trouxe novas iniciativas para estudos em neurologia e pesquisas em câncer e também o apoio do governo israelense para orientar ações em saúde na Guiné-Bissau. O convite foi feito pelo jurista e político timorense José Manuel Ramos-Horta, Prêmio Nobel da Paz, por causa dos serviços prestados pelo Einstein durante as catástrofes do Haiti e da tragédia de Santa Maria, por exemplo.
Fonte:
Claudio Lottenberg


domingo, 10 de novembro de 2013

RELAX DOMINICAL

MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
Atendendo a pedidos.








sábado, 9 de novembro de 2013

UM HOMEM DE BEM











MOMENTOBRASIL.COM(comentário):
O capítulo XVII de O Evangelho Segundo o Espiritismo, Kardec enumera algumas características do homem de bem:
1- Pratica a lei de justiça, de amor e caridade.
2- Interroga sua consciencia sobre os próprios atos,, estuda e combates sua imperfeições.
3- Pergunta se não cometeu o mal.
4- Pergunta se fez todo o bem que podia.
5- Pergunta se não deixou escapar voluntariamente uma ocasião de ser útil.
6- Pergunta se ninguém tem do que se queixar dele.
7- Pergunta se fez aos outros tudo aquilo que queria que os outros fizessem a ele.
8- Tem fé em Deus, na sua bondade, na sua justiça e na suasabedoria.
9- Tem fé no futuro, e por isso coloca os bens espirituais acima dos bens temporais.
10-Sabe que todas as dores são provas ou expiações, as aceita sem murmurar.
11- Faz o bem pelo bem sem esperar recompensa.
12-Paga o mal com o bem.
13- Sacrifica o seu interesse à justiça.
14- Encontra satisfação nos benefícios que distribui, nas consolações que leva aos aflitos.
15- Não tem ódio, rancor ou desejo de vingança.
16- Perdoa e esquece as ofensas.






sexta-feira, 8 de novembro de 2013

UMA PRESIDANTA SEM VERGONHA

MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
O Planalto se cala sobre a investigação do MP que apontou 52 acidentes em SC nos dias em que a ministra das Relações Institucionais utilizou o helicóptero da Polícia Rodoviária Federal.
A Comissão de Ètica Pùblica da Presidencia da República, que tem o dever de punir desvios de conduta do alto escalão do governo federal, até o momento não se posicionou sobre a utilização da única aeronave pela ministra Ideli Salvatti, que por sua vez, é uma das três 'meninas de ouro' da Presidanta. Mas do que provado que ela esteja em plena campanha eleitoral. O que presenciamos até agora é um silencio absoluto da gerentona do Brasil e, que fica claro a turma do Planalto mistura o público e o privado.
Lembra-se sra. Presidanta quando veio a público dizer que não admitiria maus-feitos no seu governo? e agora? vai enfiar a língua, onde? Pois, segundo o velho ditado" quem cala, consente!






quinta-feira, 7 de novembro de 2013

MAIS MÉDICOS e SEM DIPLOMAS?


MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
Como a saúde pode ser de boa qualidade se o titular da pasta é um profissional duvidoso na àrea? 
LEMBRAM DO DOUTORADO FALSO DE DILMA?

POIS É,  PELO MENOS NISSO O GOVERNO É COESO!!!
 
ESSE É O NOSSO MINISTRO DA SAÚDE!

Depois de declarar em entrevista no Programa do Jô que é Especialista em Infectologia e este título não constar nos registros das entidades responsáveis, tendo sido convocado pelo Conselho Regional de Medicina do Pará para responder a processo ético, o ministro da Saúde apresentou diploma da USP, com informações que levam a crer que o mesmo teria sido "fabricado"... agora.

Atente para os detalhes:

1 - O diploma, datado de 2001, afirma que o ministro teria realizado a residência em três anos, de 01 de fevereiro de 1998 a 31 de janeiro de 2001. Ocorre que naquela época a especialização durava apenas dois anos, o que só veio a mudar em 2004.

2 - Em 1998 a residência em infectologia começava em janeiro e não em fevereiro. Isso também só mudou em 2004.

3 - O diploma apresentado é assinado pelos ATUAIS coordenadores da residência e não pelos coordenadores de 2001.

4 - O diploma jamais foi registrado na CNRM (Comissão Nacional de Residência Médica), nem na AMB (Associação Médica Brasileirae nem no CRM-PA (Conselho Regional de Medicina do Pará) onde está inscrito atualmente.



quarta-feira, 6 de novembro de 2013

LEI DAS DOMÉSTICAS, SÓ EM 2014.


MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):  
A deputada Benedita da Silva (PT/RJ), foi designada pelo presidente da Câmara Federal (PMDB/RN), para ser a relatora do Projeto de Lei Complementar nº302/2013 (Lei das domésticas) e decidiu tambem, que o texto tramitará pelas comissões em vez de ir direto para o plenário para a votaçãosdos parlamentares. Assim sendo, a lei vai demorar à bessa.  Com esta jogada da base aliada do governo, fica mais facil as mudanças de interesse pedidas pelo Planalto que, não gostou da redução na contribuição paga pelos patrões ao INSS, de 12% para 8%, alem da mudança na multa do FGTS nos casos de demissões sem justa causa.
A equiparação dos direitos entre domésticas e demais trabalhadores aprovada em abril, aguarda há mais de seis meses pela regulamentação. Enquanto isso, os patrões que se 'lixem' quanto a forma de descontar e recolher os devidos impostos.









terça-feira, 5 de novembro de 2013











MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
E ainda põem este deputado para ser presidente da Comissão dos Direitos Humanos?








Pastora Suzanne Richthofen, nomeada presidente da Comissão de Seguridade Social e família. A grande personalidade brasileira que adquiriu seu statud após decidir assassinar os próprios pais, parece ter dado outro rumo à suaexistencia. Presa desde 2002 em regime fechado na Penitenciária Santa Maria Eufrásia(SP), Suzane acaba de se tornar pastora evangélica. Alem do mais, devido a sua conduta impecável, logrou junto a sexta turma do superior Tribunal de Justiça (STJ), mudar o regime de fechado para o  semiaberto, quando é possivel deixar o presídio durante o dia para trabalhar.
E de fato conseguiu um trabalho junto a outros criminosos que laboram poucas horas por dia. devido a intercessão do deputado Marco feliciano, suzane foi compulsoriamente filiada ao PSC (Partido Social Cristâo) e, de quebra foi nomeada para a presidendia da CSSF (Comissão de Seguridade Social e família), mais uma entre as controversas Comissões Permanentes da Câmara dos deputados.
Ora, tabem ela só matou o pai e a mãe. Que mal há nisso?




segunda-feira, 4 de novembro de 2013

A PRESIDANTA HUMORISTA.

MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
A falácias da Presidanta continuam a cada dia sendo mais hilariantes









domingo, 3 de novembro de 2013

RELAX DOMINICAL

MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
Mexendo com sentimentos....










sábado, 2 de novembro de 2013

HOMENGEM AOS DESENCARNADOS




MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
O poema abaixo, alem de explicar serve de reflexão para todos aqueles que não entendem "a morte".








A morte não é nada. 
Eu somente passei 
para o outro lado do Caminho.

Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, 
eu continuarei sendo.

Me dêem o nome 
que vocês sempre me deram, 
falem comigo 
como vocês sempre fizeram.

Vocês continuam vivendo 
no mundo das criaturas, 
eu estou vivendo 
no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene 
ou triste, continuem a rir 
daquilo que nos fazia rir juntos.

Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.

Que meu nome seja pronunciado
como sempre foi, 
sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra
ou tristeza.

A vida significa tudo 
o que ela sempre significou, 
o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora 
de seus pensamentos,
agora que estou apenas fora 
de suas vistas?

Eu não estou longe, 
apenas estou 
do outro lado do Caminho...

Você que aí ficou, siga em frente,
a vida continua, linda e bela
como sempre foi.

Fonte: Santo Agostinho.


sexta-feira, 1 de novembro de 2013

A INTELIGENCIA DO "ÁGUIA de HAYA".













MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):
O poema de Rui Barbosa, transcrito a seguir, é de uma impressionante atualidade.
Poderia ter sido escrito hoje sem mudar uma palavra...






Sinto Vergonha de Mim

Sinto vergonha de mim por ter sido educador de parte desse povo,
por ter batalhado sempre pela justiça,
por compactuar com a honestidade,
por primar pela verdade
e por ver este povo já chamado varonil
enveredar pelo caminho da desonra.
Sinto vergonha de mim
por ter feito parte de uma era
que lutou pela democracia,
pela liberdade de ser
e ter que entregar aos meus filhos,
simples e abominavelmente,
a derrota das virtudes pelos vícios,
a ausência da sensatez
no julgamento da verdade,
a negligência com a família,
célula-mater da sociedade,
a demasiada preocupação
com o "eu" feliz a qualquer custo,
buscando a tal "felicidade"
em caminhos eivados de desrespeito
para com o seu próximo.
Tenho vergonha de mim
pela passividade em ouvir,
sem despejar meu verbo,
a tantas desculpas ditadas
pelo orgulho e vaidade,
a tanta falta de humildade
para reconhecer um erro cometido,
a tantos "floreios" para justificar
atos criminosos,a tanta relutância
em esquecer a antiga posição
de sempre "contestar",
voltar atrás
e mudar o futuro.
Tenho vergonha de mim
pois faço parte de um povo que não reconheço,
enveredando por caminhos
que não quero percorrer...

Tenho vergonha da minha impotência,da minha falta de garra, das minhas desilusões
e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir
pois amo este meu chão,
vibro ao ouvir meu Hino
e jamais usei a minha Bandeira
para enxugar o meu suor
ou enrolar  meu corpo
na pecaminosa manifestação de nacionalidade.

Ao lado da vergonha de mim,
tenho tanta pena de ti,
povo brasileiro!
"De tanto ver triunfar as nulidades,
de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça,
de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus,
o homem chega a desanimar da virtude,
a rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto".